Cuidados com GTT

Enf. Karla Lopes Pereira Gomes
Estomaterapeuta
Enfermeira Rotina da EMTN, Estomaterapeuta e Comissão de Curativos do Hospital Copa D’or
Comitê de Enfermagem da SBNPE cap. RJ
e-mail: karlalpg@gmail.com


A nutrição adequada favorece uma melhor qualidade de vida e auxilia na prevenção das doenças crônicas. No entanto, se a ingestão ou o processo de digestão/absorção for deficiente poderemos ter o prejuízo do estado nutricional, caracterizado como desnutrição.
A desnutrição pode causar a incapacidade física e mental, favorecer o surgimento de lesões de pele, dificultar a cicatrização das mesmas e agravar quadros patológicos podendo levar à morte.

Para prevenir a desnutrição e/ou corrigi-la, pode-se dar inicio à terapia nutricional oral. Caso as funções do trato gastrointestinal estejam íntegras mas por algum motivo não seja possível receber todos os nutrientes na quantidade adequada por via oral, haverá a necessidade da utilização de um cateter posicionado no tubo digestivo para ofertar a dieta.

Inicialmente, utiliza-se um cateter instalado através da narina ou da boca. No entanto, quando é necessário considerá-lo por um período maior do que 6 semanas, é indicada a confecção de uma gastrostomia (GTT).

A gastrostomia consiste em uma abertura que comunica o estômago com o meio externo, chamado de estoma ou ostomia. Ela pode se confeccionada por endoscopia ou cirurgia e pode ser temporária ou definitiva.

O material dos cateteres de gastrostomia pode ser de silicone ou de poliuretano. Algumas vezes utiliza-se o cateter Foley, de látex, a titulo de manutenção provisória do acesso à GT, já que pode causar reações alérgicas cutâneas além de ser degradado com mais facilidade devido à ação do ácido gástrico.

Um terceiro tipo de cateteres de GTT, denominados também de cateteres de baixo perfil, são dispositivos que ficam rentes à pele e que são utilizados em substituição aos cateteres longos. É importante avaliar a elegibildiade do paciente para este dispositivo e, especificamente, a espessura da parede abominal para seleção do kit mais adequado.

Para que o cuidado dos pacientes pelos familiares e acompanhantes obtenha sucesso, é fundamental que as orientações sejam devidamente realizadas a fim de lhes garantir o conhecimento básico e segurança para tal. É um direito dos pacientes e familiares de receber o devido treinamento teórico e prático e um dever dos profissionais de saúde de realizá-los de forma eficaz. O profissional de enfermagem é elemento fundamental para a orientação teórica e prática de pacientes e familiares sobre os cuidados com os cateteres de gastrostomia e a administração de medicamentos e da dieta.
Confira entre os documentos associados em nosso site as orientações para uso da gastrostomia.


Referências Indicadas:

  1. Acher, E. et al. Procedimentos e protocolos. Revisão técnica Moreira M. C.; Souza, S. R. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.
  2. BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada da ANVISA – RCD n° 63, de 6 de julho de 2000. Aprova o Regulamento Técnico que fixa os requisitos mínimos exigidos para a Terapia de Nutrição Enteral. Brasília, jul. 2000.
  3. BULECHEK Gloria M., BUTCHER Howard K., DOCHTERMAN Joanne McCloskey. Classificação das Intervenções de Enfermagem. 5ªed. Rio de Janeiro-RJ: Elsevier, 2010.
  4. Coelho,A.; Nutição Enteral – Terapia Nutricional; disponível em http://www.alessandracoelho.com.br/terapia-nutricional.htm
  5. Dizionario di Stomaterapia. [on line]2004. [citado 2004 dez 20]. Disponível em: http://WWW.aistompuglia.it/dizionariohtm
  6. Equipe de Enfermagem – Atendimento Domiciliar; Procedimento de Enfermagem Domiciliar, disponível em http://www.equipeenfermagem.com.br/gastrostomia.php
  7. Finocchiaro, C., Galletti R., Rovera, G., Ferrari, A., Todros, L., Vuolo, A., Balzola, F. Percutaneous endoscopic gastrostomy: a long-term follow-up. Nutrition.13:520-3. 1997.
  8. Home Doctor – Manual de Orientação a Pacientes com Dieta Enteral, disponível em www.homedoctor.com.br
  9. LINO, Alexandra Isabel de Amorim; JESUS, Cristine Alves Costa de. Cuidado ao paciente com gastrostomia: uma revisão de literatura. Estima, São Paulo: SOBEST, v. 11, n. 3, p. 28-34, jul./set. 2013.
  10. MATSUBA Cláudia. Enfermagem em Terapia Nutricional. Disponível em: <http://www.portaldaenfermagem.com.br/entrevistas_read.asp?id=52>. Acesso em: 9.abril. 2014.
  11. Nelson L. Wound care friction. Nursing Times 1999; 95 (34): 72-75.
  12. Perissé, V.L.C. O enfermeiro no cuidar e ensinar à família do cliente com gastrostomia no cenário domiciliar. Dissertação de mestrado. Universidade Federal Fluminense. Niterói. 2007.

YAMADA,B.F.A., PERES, C.S.V. e SANTOS, V.L.G.C.; Granuloma em Gastronomia: Uma Alternativa Inovadora de Tratamento Tópico; Rev Estima – vol 2 (4) 2004 p. 11 – 14; 2014

cuidados_com_GTT